Páginas

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Porque eu sou trouxa:

Mais um daqueles dias em que eu quero ouvir Björk, deitar em posição fetal e chorar até desidratar.

Eu queria fazer um post mais elaborado, mas eu estou com preguiça, então não vai rolar.

Festa de aniversário de uma amiga sexta: (já tinha comido muito açaí antes da festa) muita bolinha de queijo, 5 copos de askov (é uma vodka com sabor), doce, ressaca no dia seguinte + 1 foto minha jogada no tapete da menina, dormindo.

Festa de aniversário de outra amiga sábado: mais bolinha de queijo, mais askov, muito doce, um dedo queimado por brigadeiro (sim, o brigadeiro fervendo espirrou no meu dedo). Pelo menos não teve ressaca no dia seguinte, mas eu dormi e as meninas zoaram minha cara com pasta de dente e tiraram mais fotos vergonhosas pro arsenal.

Aniversário da minha irmã domingo: comida, comida, comida, chocolate, chocolate, brigadeiro, come mais mais mais mais.

Nem preciso falar que essas aventuras me renderam quilos a mais, 1,5 kg pra ser mais precisa.

Prova de violino ontem: tremedeira e choro no meio da prova; todo mundo olhando pra mim com cara de dó; esqueci meu celular (e meu afinador e minha blusa) na escola de música, hora que percebi já estava no ônibus, desci e voltei correndo a pé; achei, menos mal; chorei do mesmo jeito.

Recebi minha prova de física hoje (não sei se comentei, mas tinha uma questão na parte de trás e eu não vi porque sou uma retardada, acertei as outras, mas foda-se, perdi uma questão), rasguei a prova. Adoro rasgar provas.

Um passarinho cagou em mim hoje. É um sinal divino falando pra eu desistir de viver que tudo vai sempre dar errado mesmo hahaha.

Eu sempre leio as coisas que vocês postam, mas às vezes não consigo pensar em nada sobre o assunto ou formar alguma coisa pra comentar, então prefiro não comentar a comentar qualquer coisa simplesmente por comentar, pois não acho que vá ajudar ou fazer grande diferença pra vocês.

A escatológica da Odile O. foi uma das coisas mais tristes que li esses dias, não apenas pela situação, mas porque ela era tão novinha na época e tenho certeza que não percebeu a gravidade do que estava acontecendo e, mesmo hoje, ela e nós sabemos que não deveríamos fazer algumas coisas, mas e daí? Quem se importa? Nada vale de nada, nunca, sempre inúteis, sempre insuficientes, fracassadas.

Enfim, vou terminar por aqui porque minha mãe está de licença médica (ela é professora e professor é tudo fodido mesmo) e preciso me entocar no quarto (ela se recusa a coloca wi-fi em casa, só tem um ponto de internet em casa, na sala) pra não brigar com ela e acabar ficando de castigo.

Bjinhos <3

(Quando chegar a 48,5 kg, eu posto algo de novo)



terça-feira, 22 de setembro de 2015

Monóxido de carbono

Tenho pensado muito em monóxido de carbono e como ele pode se agregar às hemoglobinas. Imaginem isso acontecendo comigo. Adoro a ideia de uma morte indolor. Meu maior sonho é morrer dormindo.

Na verdade, não acho que esse seja meu maior sonho, mas considerando que o que eu queria mesmo era ser magra, alta, bonita, não ter estrias, nem celulites, nem acne, nem pelos aparentes e ser bem sucedida e realizada profissionalmente, uma morte rápida e indolor parece uma opção mais viável e menos frustrante de sonho.

Tenho adorado andar com o volume dos fones de ouvido no máximo e sem olhar para os lados, tem sido um novo hobbie.

Voltei a me cortar, meu objetivo é chegar cada vez mais fundo, atingir uma veia qualquer dia desses - eu nunca consegui fazer isso, é outro motivo de frustração.

Esse tempo, esse maldito clima só pode ter sido criado pelo diabo pra me ver sofrer mais ainda, nesses dias, eu literalmente tenho tido vontade de me jogar no chão e bater a cabeça em tudo de tanto calor, e ainda vou ter que fazer vestibular numa tarde quente como estas - como se fazer vestibular já não fosse ruim o suficiente.

Eu não sei o que fazer. Isso é tão frustrante. Eu quero passar esse ano pra não perder mais um ano da minha vida estudando pra essa bosta; mas passar em que? O que eu quero fazer? Eu odeio tudo, literalmente tudo, não sei fazer nada. Tremo só de pensar em qualquer tipo de licenciatura, não sei desenhar, não sou boa com física, biologia, inglês, não sou boa com nada - só em reclamar.

Eu não consigo não reclamar, não ficar triste, não chorar, eu estou tão desesperada, eu não consigo pensar em nada bom, nada, nunca e deixo as pessoas ao meu redor mal.

Não sei se vou prestar Vunesp, eu queria prestar só pra não ser tão feio ano que vem na reunião dos bixos, quero ter algo pra escrever na testa. Ano passado eu fiz treineiro, mas pela minha nota, teria passado em alguns cursos. Porém, gastar 155 reais com algo que eu nem vou fazer... não sei, acho que não.

Gente, me ajuda, o que eu devo colocar no Enem? Falem cursos aleatórios (exceto licenciaturas e medicina). Obrigada.

(Na Fuvest, eu já coloquei Engenharia na POLI (eu sou masoquista, só pode ser) e no vestibular da Unicamp, já coloquei Engenharia de Computação (não sei nem mexer com HTML, imagina programar alguma coisa, eu sou uma retardada mesmo)).

Bom, mas já que, em tese, isso seria um blog sobre dieta e preocupação com o corpo, aqui vai minha última pesagem: 49 kg, ontem.

Enfim, beijinhos.





segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Um hobbie:

Ficar vendo foto de gente bonita pra me sentir ainda pior <3

Recomendo o Sobrelas ou o SuicideGirls (tem nudez), ambos, na maioria das vezes, só têm mina magra, branca, com aquele estilo alternativo que eu queria ter, mas não tenho dinheiro nem corpo para tal.

Na moral, é injusto existir gente assim:


terça-feira, 8 de setembro de 2015

48,8 kg

Esse foi o número que apareceram na balança hoje. Fiquei satisfeita com isso, considerando que não me regrei nenhum pouco, comi sorvete, chocolate, fritura, tomei refrigerante. Mas pulei refeições.

2 semanas sem comer carne.

Eu quase briguei com o meu namorado sábado, eu estava mal e eu sempre jogo as coisas em cima dele quando fico assim, não como se ele tivesse culpa, mas converso sobre coisas desagradáveis com ele, vestibular, suicídio. Cheguei a pedir pra ele se afastar de mim porque eu ia acabar me matando em algum momento e não queria que ele estivesse perto quando eu fizesse isso. Pensei em me entupir de remédio, colocar uma sacola na cabeça e ir dormir. Só coloquei a sacola na cabeça mesmo e tentei dormir. Não fiquei nem 8 minutos com ela. Como vocês percebem, eu não quero me matar, não e verdade, não me esforço pra isso, eu tenho muito medo. Comprei umas lâminas domingo, não usei ainda. Estou tentando me policiar quanto a isso. Eu vou aprender a fingir que estou feliz, pelo menos fora desse espaço.

Na escola, só desgraça, parece que quanto mais o tempo passa, mais minhas notas decaem, e eu sei que o eu tenho feito não é o suficiente pra passar no vestibular. Mas eu não consigo fazer mais, Não tenho vontade pra fazer mais.

O que vale mais a pena, fazer uma faculdade "mais ou menos" que seja um período só e poder trabalhar ano que vem e ir juntando dinheiro pras minhas cirurgias ou fazer uma integral onde eu vou ter que me doar totalmente à faculdade, e ainda assim nem ter muita previsão de emprego no fim do curso, e ter que esperar mais um puta tempão pra conseguir mudar as coisas em mim? O que vocês fazem? O que vocês fariam?

Sexta e sábado, eu não conseguia sair de casa, aí quando eu fui na casa do meu namorado domingo, minha sogra chegou com um copinho de brigadeiro e perguntou se eu estava bem, aí eu disse "to meio cansada só", ela me perguntou se eu queria um chá, eu disse que não e agradeci, mas 10 minutos depois ela apareceu com uma xícara de chá de camomila pra mim, disse que o vestibular era só uma fase e ano que vem eu ia rir de tudo isso. Eu agradeci e tomei o chá, claro, mas fiquei bem whatafuck, aí olhei pro meu namorado meio "?", depois ele me explicou que os pais deles perguntaram porque eu não estava indo lá e ele disse que era porque eu estava triste por causa do vestibular.

Enfim, tá tudo uma merda, eu caguei nas duas provas de hoje por pura falta de atenção. 

Apesar de tudo, eu não estou tão mal, poderia estar pior, estava pior.

Esqueci a data da minha consulta com a psiquiatra e a psicóloga. Acho que não comentei, mas parei de tomar o remédio por mim mesma, fui diminuindo as doses pra não ter abstinência e parei. Não pretendo voltar, minha família não está na melhor situação financeira pra eu ficar querendo gastar dinheiro com remédio, fora que em agosto foram 150 reais do vestibular na Unicamp, esse mês, 145 da Fuvest, e mês que vem vou ter a Vunesp pra pagar.

Estava sem dinheiro pra pegar ônibus esses dias. É bem angustiante gastar quase 500 reais que eu não tenho com vestibular sem não ter ideia do que eu quero fazer.




quinta-feira, 3 de setembro de 2015

PIRANDO

Ois.

Desculpa o longo período que me ausentei. Eu sempre faço isso e sempre peço desculpas, mas essa sou eu. Sempre sendo trouxa e fazendo merda.

Os vestibulares estão cada vez mais próximos e eu quero me matar todos os dias porque as notas de corte são altíssimas e eu tenho que passar esse ano porque não vou ter dinheiro pra pagar cursinho, mas EU NÃO SEI O QUE QUERO FAZER DA VIDA. Tudo parece tão chato e insuportável. Eu só consigo pensar em maneiras menos doloridas e rápidas de se matar (sim, eu sou covarde).

Há uns dias atrás, fui pesquisar fotos de pessoas que se suicidaram, pra ver como eu ficaria (sim, eu me preocupo em como vou parecer mesmo depois de morta), e eu não sabia o que sentir em relação ao que eu estava vendo. As pessoas que se jogaram de grandes alturas me chocaram demais, eu não sou sensível a ponto de passar mal com a imagem, ou sei lá, na verdade, eu amo imagens fortes, principalmente as reais, mas não sabia se sentia inveja ou dó daquelas pessoas, eu fiquei pensando o quão mal eu teria que estar pra fazer uma coisa daquelas e deduzi que eu não teria coragem. Depois comecei a chorar.

Não como carne há uma semana, a história dos porquinhos do rodoanel fez eu me sentir um ser imundo e não consegui mais comer carne desde então, mas ainda estou comendo ovo, leite e derivados (sei da trituração dos pintinhos, do estupro das vacas, etc, mas eu sou realista comigo mesma, se eu parar tudo de uma vez, a chance de eu voltar é muito maior).

Eu quero ter dinheiro, tem tantas plásticas que eu quero fazer e é tudo tão caro, eu queria fazer engenharia de produção antes, mas todo mundo diz que quem faz esse curso são as pessoas incompetentes e burras que não passam nos cursos mais difíceis de engenharia, nem tem capacidade de aguentar um curso mais pesado, e tem também o fato de que, se comparado aos outros engenheiros, o de produção é menos especializado e tem menos emprego pra ele. Hoje cogitei medicina, mas mano, hoje é dia 03/09, faltam menos de dois meses pro ENEM, eu não vou conseguir nem 750 de nota, então, vamos cogitar suicídio antes de cogitar medicina (mas eu queria o dinheiro, queria muito).

Enfim, eu não sei o que estou fazendo da minha vida. Não sei quanto estou comendo, mas ultimamente tenho tido preguiça de comer, e isso é bom.

Meu peso: 50,2 kg. Podia ser menos, é bem verdade, mas também podia ser mais.

Cada dia que passa fico mais insatisfeita com o meu corpo, meu peso, as estrias, a celulite, o formato dos seios, meu umbigo nojento, a grande quantidade de pelos e até a aparência da minha vulva. Eu tento me agarrar no feminismo, mas a vontade de querer pertencer ao padrão é maior que tudo, e eu fico triste, porque todas as mudanças dependem de dinheiro, e mesmo assim não necessariamente eu tenho a garantia de que darão certo. Eu me sinto impotente. Eu sou impotente.

Eu fico triste com as coisas ruins do mundo como a situação das pessoas que têm tentado se refugiar na Europa. As fotos das crianças mortas no mar me deixaram muito triste, eu fico pensando como as pessoas são tão horríveis, mas não há muito o que eu sozinha possa fazer e além do mais, eu não sou um exemplo de boa pessoa.

(Tem uma caixa com 29 comprimidos de bromazepam na minha gaveta, ela me chama todo dia, mas pesquisei e não há muito sobre overdose de bromazepam, e não vou fazer nada de novo sem ter certeza que vai dar certo, não quero passar pela mesma situação de 2012).